Traga seu futuro para a XP Corretora de Seguros


Entenda as diferenças entre PGBL e VGBL e aprenda a escolher o plano de Previdência Privada mais adequado para você.

Abra sua conta. É grátis!
Abra sua conta. Grátis e 100% online.
Abra sua conta Logo da XP Investimentos - Taxa Zero

Como escolher um plano de Previdência Privada em 3 passos

Passo 1

Tipos de Modalidades


Escolha a modalidade que atende melhor às suas necessidades.

PGBL

Indicado para: Ideal para quem declara o IR pelo modelo completo, e contribui para o INSS. Permite o benefício fiscal na Declaração de Imposto de Renda, durante o período de acumulação.

Na declaração de Imposto de Renda: Os valores investidos no plano podem abater até o limite de 12% da base de cálculo, na Declaração Anual de IR1

Resgate / pagamento do benefício: O Imposto de Renda incide sobre o valor total resgatado.

VGBL

Indicado para: Ideal para quem é isento ou declara o IR pelo modelo simplificado. Também é indicado para quem deseja aplicar mais de 12% da sua Renda Bruta em Previdência Privada, ou apenas diversificar investimentos.

Na declaração de Imposto de Renda: Os valores investidos no plano não são dedutíveis do Imposto de Renda

Resgate / pagamento do benefício: O Imposto de Renda incide apenas sobre os rendimentos. As contribuições realizadas não são tributadas.

Veja, no exemplo abaixo, a vantagem da redução do Imposto de Renda devido, considerando apenas as suas contribuições do Plano de Previdência Privada (PGBL).

Sem PGBLCom PGBL
Renda bruta anualR$ 100.000,00R$ 100.000,00
Contribuições do Plano de Previdência Privada
(12% da renda bruta tributável)
-R$12.000,00
Base de cálculoR$ 100.000,00R$ 88.000,00
Alíquota*27,5%27,5%
Imposto a pagar sem deduçõesR$ 27.500,00R$ 24.200,00
Parcela a deduzirR$ 9.486,91R$ 9.486,91
IR total a pagar no anoR$ 18.013,09R$ 14.713,09
Economia de IR (diferença entre ter ou não o PGBL)-R$ 3.300,00
Atenção: Tabela Progressiva para o cálculo anual do IR de Pessoa Física, exercício de 2013, ano-calendário 2012, segundo a lei 9.532, de 10/12/1997. É importante destacar que a base de cálculo não reflete outras possíveis deduções fiscais.
Passo 2

Tipos de Tributação


No momento da contratação do plano, você poderá optar entre dois diferentes tipos de regime tributário:

Tabela Progressiva do IR de Pessoa Física

Tributação de Imposto de Renda no momento do resgate:
No momento do resgate, a tributação ocorre na fonte, à alíquota de 15%, com posterior ajuste na Declaração Anual do Imposto de Renda.

Tributação de IR no momento do recebimento da aposentadoria:
Conforme Tabela Progressiva vigente do Imposto de Renda.

Perfil:
Ideal para quem tem objetivos de curto ou médio prazo.

TABELA PROGRESSIVA ANUAL

Para fins de ajuste, são aplicadas as alíquotas previstas na Tabela do Imposto de Renda (a mesma utilizada para tributação de rendimentos de pessoa física), que variam em função do valor recebido, a título de resgaste.

Regime tributário da tabela progressiva anual
Base de cálculoAlíquotaParcela a deduzir
Até R$ 20.529,36--
De R$ 20.529,37 até R$ 30.766,927,5%R$ 1.539,70
De R$ 30.766,93 até R$ 41.023,0815%R$ 3.847,22
De R$ 41.023,09 até R$51.259,0822,5%R$ 6.923,95
Acima de R$ 51.259,0827,5%R$ 9.486,91
Referência do I.R. de Pessoa Física, exercício de 2014, ano-base 2013.
Tabela Regressiva do IR de Pessoa Física (Lei nº 11.053/04)

Tributação de Imposto de Renda no momento do resgate:
Alíquota inicial de 35%, nos primeiros 2 anos, podendo chegar até 10%, após 10 anos de permanência no plano.

Tributação de IR no momento do recebimento da aposentadoria:
As alíquotas são decrescentes em função do tempo de permanência de cada contribuição no plano.

Perfil:
Ideal para quem tem objetivos de longo prazo.

Regime tributário da tabela regressiva

Os valores resgatados e os benefícios recebidos serão tributados na fonte, de acordo com a Tabela Regressiva, em função do tempo de permanência de cada contribuição no plano:

Veja a tabela de prazos X alíquotas sobre o valor do resgate:

Prazo de acumulação / recebimento de rendaAlíquota sobre o valor de resgate / renda
Até 2 anos35%
2 a 4 anos30%
4 a 6 anos25%
6 a 8 anos20%
8 a 10 anos15%
Acima de 10 anos10%
Passo 3

Tipos de Plano


Identifique o plano ideial para o seu perfil

Renda Fixa

CDI e taxa de juros Selic


Ideal para quem está próximo do resgate ou do recebimento da renda, por buscar a preservação de capital.

Perfil:
Indicado para quem tem baixa tolerância ao risco.

Renda Fixa

Inflação


Fundos que aplicam em títulos indexados à inflação. A rentabilidade é composta pela variação do índice de preços (IPCA), e por uma taxa de juros prefixada (cupom), que incide sobre o valor do título, corrigido pelo IPCA.

Perfil:
Indicado para quem tem moderada tolerância ao risco. Apesar de ser considerado mais conservador por ser um fundo de Renda Fixa, é um pouco mais arriscado do que um CDI, já que é atrelado à inflação.

Renda Fixa

Fundos Multimercado


Fundos que investem, no máximo, 49% de seus recursos em Renda Variável. Como a porcentagem investida em ações varia de fundo para fundo, é possível encontrar produtos que atendam aos diferentes perfis de intestimento.

Perfil:
Ideal para quem tolera correr risco, com o objetivo de alcançar melhores retornos a médio ou longo prazos. Não é indicado para quem está próximo de resgatar o plano ou usufruir de renda mensal.

Renda Fixa

Fundo Dinâmico


Fundos Multimercado com alocação dinâmica, que são mais agressivos no início, e se tornam mais conservadores ao longo do tempo. Os Fundos Dinâmicos investem em Renda Fixa de curto e longo prazo, inflação e Renda Variável, e permitem ao cliente escolher quando quer utilizar seus recursos.

Perfil:
Para quem busca uma alocação dinâmica, sem ter que se preocupar em mudar o perfil de investimento durante o período de acumulação do plano.

1 Somente terão direito à isenção fiscal de até 12% de renda bruta anual no IR aqueles que forem contribuintes dos Sistemas Públicos de Previdência, à exceção dos aposentados e pensionistas. Lei n° 10.887, de 18/06/2004. No caso de Previdência Privada Infantil, para se beneficiar da dedução fiscal, o menor deverá ser dependente econômico do responsável financeiro, para fins de Imposto de Renda. Em caso de dependentes maiores de 16 anos, somente será possível obter a referida dedução se estes forem contribuintes do INSS.